www.semprevasco.com

Patrimônio

São Januário

Mais que um estádio, um símbolo


Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

_______________________________________________

INTRODUÇÃO

"O Vasco é uma predestinação"

Cyro Aranha

Falar da história de São Januário, antes de tudo, é falar de um símbolo. Vai além de dados estatísticos sobre material de construção e demais pontos comuns quando se conta a história de um monumento histórico. São Januário é mais do que isso: é um monumento em concreto e azulejo que representa a resposta vascaína àqueles que quiseram diminuir o Vasco, colocar o Vasco em uma posição subalterna no cenário do futebol carioca, esses mesmos que passados 80 anos da construção de São Januário não conseguiram fazer nada parecido. Nem de longe.


   Vista aérea de São Januário, 1929


É a história da epopéia que foi a construção de São Januário que aqui será contada. Foi a mais bela passagem da história do Vasco? Talvez, a dúvida surge exatamente porque a saga vascaína é fértil dessas passagens impressionantes. Porém com certeza São Januário representou o melhor momento da torcida vascaína. Daqui a um século, como agora, a torcida vascaína vai olhar para trás e dizer: ‘Esse foi nosso melhor momento’.

Essa é a história do que um Vasco unido pode fazer.

_______________________________________________

A GRANDE RESPOSTA

"Nesses termos, sentimos ter que comunicar a V. Excia. que desistimos de fazer parte da AMEA"

José Augusto Prestes 


Antes de São Januário, o Vasco jogava onde podia. Primeiro em campos cedidos por outros clubes, como Fluminense e São Cristóvão, e depois em campos alugados, como em Barão de Tapagipe e Moraes e Silva, porém à medida que o futebol no clube crescia, também aumentava a vontade de dar a esse esporte um local apropriado e 100% vascaíno.

Em 1922 e 1923 já eram estudados planos para a construção de uma sede para a "sessão terrestre", mas a idéia não seguiu adiante devido à ‘maldita política que imperava’, nas palavras de Manoel Joaquim Pereira Ramos, ex-integrante da diretoria de 1923 e que teria um papel fundamental no futuro próximo.

A idéia parecia morta, até que em 1924 todas as forças do futebol se levantaram contra o Vasco. Era o ódio contra o time de 1923, campeão absoluto, a equipe dos portugueses, dos pobres e dos negros e mulatos. Impossibilitados de ganhar no campo, os adversários históricos do Vasco, esportivamente e socialmente, criaram uma nova associação de futebol, a AMEA. E uma das exigências para o Vasco entrar nessa nova liga seria a posse de um estádio.

Eles quiseram humilhar o Vasco, os mesmo que hoje não possuem nada. Os mesmos que hoje precisam jogar em estádios feitos com dinheiro público. Do ódio contra essa campanha dirigida surgiu à centelha que incendiou os corações dos vascaínos e deu a motivação que faltava a maior mobilização já vista na história de um clube.


_______________________________________________

TODOS POR SÃO JANUÁRIO

"Era empolgante ver a satisfação com que a colônia se dispunha a colaborar para dar ao Vasco um estádio" Ismael de Souza

 

O Estado-Maior da campanha por São Januário


Entre os anos de 1925 e 1927 o Vasco chamou e os vascaínos responderam. Empréstimos sem juros foram feitos por conselheiros do clube, outros se tornaram fiadores de título bancário e para o povo surgiu a Campanha dos Dez Mil. Os mais abastados e os mais humildes, juntos para fazer São Januário.

O projeto foi entregue ao arquiteto Ricardo Severo e a construção a empresa Cristiani & Nielsen, que logo enfrentou uma negativa de importação de cimento pelo governo federal, já que o equivalente nacional era de pior qualidade. Nem o problema de falta do principal insumo necessário à construção pararia o Vasco, afinal o clube já tinha superado todos os obstáculos que surgiram em seu caminho. Juntos, o clube e a construtora encontraram a solução: mudaram o traço do concreto brasileiro, melhorando-o.

O local escolhido seria São Cristóvão e foi ali, em 6 de junho de 1926, que a pedra fundamental do novo estádio foi lançada (foto abaixo) com a presença do prefeito da cidade e dos vascaínos que viam ali o sonho se concretizando.



A obra crescia e caravanas de vascaínos iam acompanhar a obra, os homens do Vasco empolgados, vendo o sonho se tornando realidade. Em 10 meses a epopéia chegava ao fim e o corpo principal de São Januário estava erguido. Um monumento que seria para sempre o maior orgulho do Club de Regatas Vasco da Gama.

_______________________________________________

AO VASCAÍNO ANÔNIMO, DOS MILHÕES AGRADECIDOS

"Foi o povo que fez construiu o estádio do Vasco, revoltado com o racismo"


São Januário em obras, 1926


Seria impossível citar os nomes de todos os grandes vascaínos que realizaram o impossível, foram milhares de abnegados, mas como forma de reconhecimento e registro histórico, fica aqui a lembrança à saudosa memória de Antônio de Almeida Pinto, o maior doador da campanha por São Januário; Adriano Rodrigues e José Ribeiro de Paiva, os tesoureiros da grande obra; Álvaro do Nascimento, que atravessou madrugadas fazendo os recibos dos contribuintes e Raul Campos, o presidente que tornou tudo possível.

E ainda a Manoel Joaquim Pereira Ramos, o presidente da comissão da construção, Jordão Cançado Conde, que desde 1923 batalhava por um estádio vascaíno; Ismael de Souza, Alfredo Rabelo Nunes, José Ribeiro Nunes, Aníbal Peixoto, Alberto Portela e todos aqueles do Estado-Maior da campanha.


Diretoria em frente de uma social ainda inacabada, 1927


E principalmente, que se façam homenagens ao vascaíno anônimo, aquele que deu o que tinha e o que não tinha para o Vasco nunca mais ser humilhado por não ter estádio, para o Vasco ser forte, para o Vasco ser o maior de todos. Que se rendam honras àqueles que nos deixaram São Januário. Eles que deram ao Vasco, que antes nada tinha, o maior estádio da América do Sul.

Números da construção:

  • 2.000 contos de réis é o custo total estimado da obra.
  • 55.445,50 metros quadrados media o terreno adquirido.
  • 609.895 contos de réis foi o valor pago por ele.
  • 7.189 vascaínos ingressaram como sócios na campanha popular de São Januário.
  • 11.000 metros quadrados estavam construídos na inauguração do estádio.
  • 6.600 barris de cimento e 252 toneladas de ferro foram utilizados.
  • Uma parte de cimento, duas e meia de areia e 3 e meia de pedra britada foi a medida usada no concreto.
  • 1.200 contos de réis recebeu a construtora Cristiani & Nielsen.

_______________________________________________

A INAUGURAÇÃO

"A construção que ora se inaugura representa bem a dedicação e o esforço de todos os associados"

Diretoria do Club de Regatas Vasco da Gama


Momento da inauguração


Depois do trabalho, depois de tanto suor para erguer o maior de todos, agora o vascaíno contemplava realizado sua grande obra. Em 21 de abril de 1927 uma cidade parou para ver a inauguração do magnífico estádio do Vasco da Gama. Nunca nada como aquilo havia sido feito em solo brasileiro, uma obra de gigantes. Para prestigiá-la vieram a São Januário um grande número de autoridades, incluindo o Presidente da República.

Durante todo aquele dia várias atividades esportivas se sucederam nas quadras de basquete e de tênis, preparativos para o evento principal: a primeira partida de futebol de São Januário, Vasco x Santos. Mas antes era preciso cortar a tradicional faixa de inauguração, e coube ao Major Sarmento, grande herói português, essa honra (foto acima).


A monumental fachada no ano da inauguração


Quando a bola rolou, o Santos mostrou porque era uma das grandes equipes da época e derrotou os donos da casa por 5 x 3, porém isso pouco importava. São Januário estava ali, era uma realidade, contra tudo e contra todos. São Januário estava ali para a eternidade.                                       

_______________________________________________

O VASCO NÃO PARA


Quando São Januário foi inaugurado ainda não havia a arquibancada atrás do que hoje se popularizou chamar de "gol da ferradura", somente a social e a arquibancada em frente a esta estavam prontas. O mesmo espírito que moveu o vascaíno a transformar seu desejo em realidade, a ter sempre o maior e melhor, o levou a construir a arquibancada em curva ainda naquele ano da inauguração.


Arquibancada em curva já completa, 1927


Como curiosidade, a arquibancada atrás do outro gol, próximo ao Parque Aquático, não estava na planta original do arquiteto Ricardo Severo, mas a diretoria da época já planejava fechar todo o anel de São Januário e por isso encomendou a Adolfo Morales de Los Rios esse projeto complementar que nunca foi posto em prática.

No ano seguinte, em 31 de abril de 1928, eram inaugurados os refletores de São Januário e mais um marco acontece: o jogo Vasco e Wanderers (URU) é o primeiro jogo noturno do Brasil em um estádio de futebol.

Também nesse jogo o vascaíno Santana cobra um escanteio e a bola entra: era o primeiro gol olímpico em campos brasileiros.

 

Dia da inauguração dos refletores de São Januário

_______________________________________________

SÃO JANUÁRIO E A SELEÇÃO BRASILEIRA

Pegamo-los de jeito em São Januário, com um 6 x 2 memorável (Brasil 6 x 2 Argentina, 1945)

Mário FIlho

 

Mesmo sendo o maior estádio do Brasil desde 1927, somente em 1939 é que São Januário passou a ser o campo oficial da Seleção Brasileira de Futebol no Rio de Janeiro, mantendo esse status até a construção do Maracanã em 1950.

Inexplicavelmente a seleção utilizava a pocilga da Gávea como "estádio". A mudança para São Januário - que enfureceu os cartolas da Gávea - só ocorreu devido à visita de Jules Rimet, presidente da FIFA, ao Brasil a fim de avaliar as condições brasileiras para sediar uma Copa do Mundo. Ele naturalmente visitou São Januário e pôde constatar a diferença monumental entre o estádio vascaíno e o inominável rubro-negro.

Como sede da Seleção no Rio de Janeiro, São Januário foi palco dos títulos da Copa Rocca de 1945 e da Copa América de 1949, esse último não por acaso com um time que tinha como base os jogadores do Expresso da Vitória.

_______________________________________________

MAIS DO QUE UM ESTÁDIO: UM MARCO

"Vêm-me à lembrança da manifestação patriótica desse clube, realizando, em seu estádio uma partida de futebol, a qual tive a honra de presenciar já como Comandante da FEB"

Marechal Mascarenhas de Moraes

 

Milhares de jovens regidos pelo maestro Villa

 

Com a Revolução de 30 uma nova era começava para o Brasil e também para São Januário. Essa cooperação do clube com os poderes públicos é iniciada em 1935, quando o estádio é cedido para os milhares que participaram do Primeiro Congresso Nacional de Educação, obra do Ministro Gustavo Capanema, que revolucionou as bases educacionais do Brasil.

Em 1940 era a vez de Villa-Lobos e seu canto orfeônico levar 40.000 estudantes das escolas do Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano o Presidente Getúlio Vargas institui o salário mínimo direto da Tribuna de Honra de São Januário. Três anos depois era a vez da CLT, anunciada para todo o Brasil do mesmo local, um dos maiores marcos da história de São Januário.

Vargas utilizou diversas vezes o maior estádio do Rio de Janeiro para suas manifestações cívicas, verdadeiras festas nacionais. Primeiro de Maio, além de ser o Dia do Trabalhador, era o Dia de São Januário. O presidente entrava no estádio de carro aberto e percorria, pela antiga pista de atletismo, toda a arquibancada, até parar em frente à Tribuna de Honra, palco dos seus discursos à nação.

Ainda no campo da política, o estádio vascaíno sediou o grande encontro realizado pelo PCB em 1945. No "Comício de São Januário", Luiz Carlos Prestes, recém-saído da prisão, discursou para mais de 100.000 pessoas.

Na época da Segunda Guerra, São Januário foi posto a serviço do exército brasileiro, em uma cooperação sem precedentes entre os clubes do Brasil. E como se tudo isso não bastasse, São Januário teve uma ligação íntima com as Escolas de Samba do Rio de Janeiro.

_______________________________________________

UMA PRAÇA DE ESPORTES, UM LUGAR DE MEMÓRIA

"Terminemos o Estádio e o ofereçamos ao Brasil"

José da Silva Rocha

 

Em 1948, auge do Expresso da Vitória, foi lançada uma campanha de vendas de títulos de sócio que marcou o início das melhorias que deram uma nova cara a São Januário nos anos seguintes, na verdade completando o que havia sido feito em 1927. A meta era ter 2.000 sócios proprietários ativos no clube, e se já havia 1.109 no lançamento da campanha, era preciso mais 891 para o sucesso do projeto.

Em meio comemorações do cinqüentenário do clube, os vascaínos, como sempre, responderam ao chamado da diretoria. Entre abril e novembro de 1948 todos os títulos foram vendidos, diariamente dezenas de propostas de sócio chegavam às mãos do presidente do clube, em uma mobilização só comparada a Campanha dos Dez Mil que fez São Januário. Se avaliarmos que a diretoria trabalhava com um prazo de dois anos para a conclusão da meta, entenderemos melhor o tamanho do entusiasmo do vascaíno.

Com a verba oriunda dessa campanha, que também foi usada para a construção da Sede Náutica da Lagoa, e com as mensalidades dos dois mil sócios que ela proporcionou, o Vasco ergueu em São Januário o nosso majestoso Parque Aquático (1953), a Capela de Nossa Senhora das Vitórias (1955) e o Ginásio (1956). Parecia não haver limites para o que o Vasco poderia fazer.

_______________________________________________

O RETORNO

"A reabertura de São Januário proporcionou aos sócios novos encontros com seu querido estádio, palco de históricas glórias e triunfos"

Agathyrno Silva Gomes

 

Inauguração do novo sistema de iluminação

 

Com a construção do Maracanã para a Copa do Mundo de 1950, São Januário foi relegado pelo futebol vascaíno. O time passou 20 anos mandando todos os seus jogos, seja contra times grandes ou pequenos, no Maracanã.

Somente no começo da década de 70, por iniciativa do presidente Agathyrno, é que São Januário voltou a ser palco de jogos do Vasco, se tornando inclusive a nova sede da administração do clube, que por décadas se concentrou em um prédio na Avenida Rio Branco, Centro do Rio.

Foram muitas as reformas necessárias para adequar o estádio novamente ao futebol, mas todas elas foram feitas: em 1974, por exemplo, era inaugurado o novo sistema de iluminação, utilizado até hoje no estádio. São Januário voltava a ser utilizado em grandes competições, como a Libertadores e o Brasileiro, e em amistosos internacionais.

_______________________________________________

MAIS MELHORIAS, SÃO JANUÁRIO MAIS BELO DO QUE NUNCA

 

No final de década de 90 e começo do novo século, São Januário é transformado de uma maneira só antes vista na década de 50. São adquiridos vários imóveis da Rua São Januário que proporcionaram ao clube fechar todo o quarteirão do estádio e ter pela primeira vez uma entrada na rua que batiza seu campo.

 

 

O Parque Aquático é tratado como jóia e vira sede de uma etapa da Copa do Mundo de Natação em 1998. O antigo ginásio é todo reformado e sedia um Sul-Americano de Futsal em 2000. São ainda inaugurados o Hotel-Concentração, o Colégio Vasco da Gama e um novo ginásio. Quadras poliesportivas são construídas e se tornam o Complexo João da Silva, justa homenagem a esse grande vascaíno. Onde só havia terra, 3 campos de grama sintética tomam seu lugar.

Mais recentemente, toda a parte interna das sociais recebeu uma luxuosa reforma e a grade que separa esse setor do campo foi dimensionada no padrão europeu, fato inédito em um grande estádio brasileiro.

Em 2007 São Januário é novamente notícia no mundo inteiro com o milésimo gol de Romário e o campo do Vasco se torna o único estádio particular de todo o mundo em que um jogador de futebol fez seu milésimo gol. Para comemorar essa marca uma estátua é erguida em homenagem ao feito.

Hoje, São Januário continua lá, belo e imponente. O símbolo máximo do que o vascaíno pode fazer.

_______________________________________________