www.semprevasco.com

Patrimônio

São Januário em Armas

Mais sobre a paricipação vascaína na Segunda Guerra Mundial


Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

_______________________________________________

Nenhum clube brasileiro colaborou mais que o Vasco com a nação brasileira quando o destino do mundo era decidido nos campos de batalha da Segunda Guerra Mundial. Além do Tiro de Guerra 307 mantido pelo clube dentro das dependências de São Januário e da colaboração do Vasco no esforço de guerra, o estádio vascaíno foi colocado à disposição do Brasil naqueles anos incertos.

Em São Januário aconteceu a primeira demonstração pública de defesa antiaérea, com desfile de forças motorizadas. Também foi lá que o regimento de pracinhas oriundo de Santa Carina se instalou, além do regimento motorizado.

Ainda no campo do Vasco se deu o jogo Brasil 6 x 1 Uruguai em homenagem a Força Expedicionária Brasileira e o jogo em beneficio das vitimas dos navios torpedeados pelos submarinos alemães, assistido pelas mais altas autoridades brasileiras e pelo presidente uruguaio General Agustín Justo.

A Colina Histórica sediou também competições esportivas de basquete, vôlei, futebol, dentre outras, entre a marinha brasileira e a marinha inglesa e norte-americana. Tais eventos se deram sem publicidade alguma devido ao temor de espionagem inimiga.

Relembrando a colaboração que o Vasco deu a FEB, seu comandante Marechal Mascarenhas de Moraes proferiu o seguinte discurso em um dos aniversários vascaínos:

"Nesse evento auspicioso em que se festejará, com justas alegrias, mais um aniversário natalício do tradicional clube guanabarino, apresento o meu apreço e entusiasmo a todos quantos, através da profícua atividade, têm se dedicado a cultivar e difundir o esporte como elemento proeminente na formação física e espiritual da raça humana.

Guardo, como indelével recordação, as manifestações patrióticas vividas pelos brasileiros, quando da criação da FEB. E entre essas demonstrações nascidas de todos os recantos do país, vêm-me à lembrança, entre outras, a desse clube, ao colaborar nas homenagens que se prestaram aos expedicionários próximos a embarcar, realizando, em seu estádio, uma partida de futebol com os nossos amigos uruguaios, a qual tive honra de presenciar já como comandante da FEB.

É, pois, com imensa júbilo, que cumprimento os vascaínos ex-combatentes que, nos campos da velha Itália se bateram galhardamente pela Democracia.

Aos inesquecíveis bravos da FEB, ao seu glorioso Clube, a renovação do meu apreço. Que sejam felizes."